NOSSO

BLOG

Por que a China odeia e-mail?

A preferência da China pelo WeChat significa estar sempre disponível ao seu chefe.

Enviar mensagens de e-mail às pessoas na China pode ser uma experiência frustrante por uma simples razão: você raramente recebe uma resposta.

No Ocidente, os e-mails são mais propensos a serem ignorados porque estão enterrados sob outros e-mails. A China, no entanto, parece não gostar de todo o conceito, seja para negócios ou diálogos entre amigos que se conheceram durante suas viagens.

Mas há uma razão para isso, que está entrelaçada na história da internet chinesa e na ascensão de uma das maiores empresas de tecnologia do mundo.

Na virada do milênio, o e-mail no Ocidente já não era algo exótico. Tornou-se uma expectativa social tão grande quanto ter um número de telefone. Quando o e-mail comemorou seu 30º aniversário em 2001, quase todos os escritórios tinham um endereço de e-mail.

Ao mesmo tempo, menos de 3% da população da China estava usando a internet. Muitos usuários da Internet naquela época nem tinham acesso a conexões domésticas, ao invés disso migravam para cybercafes para ficar on-line.

“Um fator foi que desde muito cedo na adoção da Internet na China, ela foi dominada por pessoas muito jovens, muitas das quais não estavam trabalhando em ambientes de escritório de colarinho branco”, disse Kaiser Kuo, ex-diretor de comunicações internacionais da empresa. Baidu e agora editor-em-grande da SupChina. “Sua principal atração para a internet não era produtividade; eles estavam mais focados em suas possibilidades sociais ”.

Os cybercafes chineses não começaram a diminuir em número até 2013, em parte graças ao crescimento da internet móvel. (Imagem: AP)

 

Em 1999, uma pequena empresa de tecnologia na China decidiu arrancar a popular plataforma de mensagens de desktop ICQ e criou o QQ. A empresa, conhecida como Tencent, tornou-se uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. A plataforma cresceu rapidamente tanto do público dos cyber cafés quanto daqueles que já tinham PCs em casa. Por que gastar seu tempo limitado e pacotes de dados em atualização de e-mails?

 

Enquanto o QQ e seus irmãos baseados em desktops estão fora de moda, os aplicativos de mensagens continuam sendo a principal forma de comunicação das pessoas no país. É aí que entra o WeChat, a segunda grande plataforma social da Tencent. Com mais de um bilhão de usuários ativos diariamente, o WeChat é onipresente na China.


O que é WeChat?

O WeChat é onipresente na China. Com mais de 1 bilhão de usuários ativos por mês, o aplicativo Tencent permite que pessoas conversem, paguem contas, joguem, comprem e acessem serviços governamentais – sem sair do WeChat.

Existem atualmente 802 milhões de usuários de internet na China, mais do que em qualquer outro lugar do mundo. No processo de todo esse crescimento, as pessoas encontraram motivos para evitar o envio de e-mails além de apenas mensagens.

Alguns citaram a inacessibilidade do jargão de e-mail com seus CCs e BCCs, enquanto outros apontaram que o uso de endereços de e-mail em inglês é uma barreira adicional. No lado comercial, Kuo observou que não havia muito incentivo para investir recursos no desenvolvimento de produtos de e-mail, pois os caminhos de monetização não eram óbvios no momento.

Em última análise, porém, muitos recorrem ao WeChat simplesmente porque é rápido e conveniente, especialmente para ambientes de trabalho. Você pode enviar imagens, documentos e realizar videoconferências em um único aplicativo (entre os muitos outros recursos do WeChat).

 

A cultura do trabalho também desempenha um papel. Os usuários de fórum na China argumentaram que o uso de mensagens tem mais a ver com a falta de procedimentos padronizados nas empresas chinesas em comparação com as ocidentais. Embora em muitos casos isso possa ser uma fonte de frustração, também é uma maneira de evitar burocracia onerosa.

A divisão entre vida pessoal e profissional também é menos rigorosa na China.

“A prevalência de emojis, mensagens de voz e comunicação informal aumentam as relações profissionais e pessoais mais flexíveis e menos em preto e branco, que geralmente fazem parte do trabalho na China”, disse Elliott Zaagman, coach executivo e apresentador do podcast China Tech Investor.

Essa atitude vai tão longe que muitos profissionais pararam de compartilhar cartões de visita e começaram a escanear os códigos QR do WeChat para manter contato. Para muitos, essa convergência de vidas pessoais e profissionais foi longe demais.

Aoki é coordenador de projetos em uma empresa chinesa que colabora com parceiros ocidentais e usa os dois modos de comunicação.

“Embora na maioria das vezes não seja minha opção, eu prefiro o e-mail, já que ele me dá mais privacidade e tempo pessoal”, disse Aoki, que escolheu usar seu apelido por motivos profissionais.

 

Muitos eventos de trabalho na China agora terminam com a verificação de código QR ritual. (Liu Xingzhe / EPA)

 

Aoki também costumava trabalhar para uma subsidiária do governo, e ela admite que ela e seus colegas raramente checavam os e-mails. Ela não se dispõe a mandar e-mails para outras instituições públicas porque sabe que elas não serão atendidas. Em vez disso, muitas dessas organizações se comunicam com contas oficiais do WeChat e outras plataformas de mensagens instantâneas.

Então, como a troca de e-mail para mensagens instantâneas funciona na vida real?

Para Aoki, o grupo menciona ser chato às vezes. Afinal, as mensagens instantâneas não significam apenas conveniência, mas também significa estar disponível em todos os momentos.

“Eu também acho que também tem algo a ver com a cultura do 996”, disse Zaagman, referindo-se à extenuante cultura de horas extras de trabalho nas indústrias de tecnologia da China, com horário de atendimento das 9h às 21h, seis dias por semana.

O WeChat não apenas tomou a área de trabalho; também entrou nas relações entre professores e pais. Os departamentos locais de educação começaram a emitir regulamentações para evitar que os professores usem ferramentas de mensagens para atribuir tarefas e pedir aos pais que assinem os boletins escolares. Os grupos de mensagem têm sido criticados por revelar rankings de classe e notas de alunos, particularmente aqueles com pais “puxa saco”.

Trabalhando ou socializando? Ou tentando fazer com que a professora lhe dê um A? (Imagem: Andy Wong / AP)

 

Fonte – Abacus

 

 

COMPARTILHE

Este website utiliza cookies próprios e de terceiros a fim de personalizar o conteúdo, melhorar a experiência do usuário, fornecer funções de midias sociais e analisar o tráfego. Para continuar navegando você deve concordar com nossa Política de Privacidade